02 abril 2008

da ciência e da irracionalidade dos deuses

«in all respects science is logically incompatible with the belief in a nonmaterial intelligent entity that controls the universe and is called god, yet many scientists (...) have such a religious belief.

i can think of only three resolutions of this paradox.

the scientist’s god either is not an intelligent entity or has no control over the universe.

the second is to accept the concept of science as defined here with a part of one’s mind and that of god with another, with an impermeable barrier between the two parts.

the third is either not to be a scientist or not to believe in god (...).

the funny thing about these solutions is that they all work! the troublemakers are the zealots*, i.e. the proponents of intelligent design on the one hand, and the russian communists’ idiotic attempt to prohibit religion on the other.»

daqui [pdf; 140 kb]





* drumbeaters, fanbois, fanatical partisans, blablablas.

3 comentários:

Mila disse...

pois... Ser cientista é nao acreditar no que não se vê e por isso encontrar os motivos para tudo, por isso acreditar em Deus... Não faz muito sentido... E à luz da ciência, os espiritos existem ou nao? É que são uma coisa diferente de Deus... Mas também não são visíveis ou palpáveis por toda a gente...

Anónimo disse...

"Ser cientista é não acreditar no que não se vê (...)"? Eu nunca vi um electrão, mas acho que são um bom modelo para explicar um batalhão de fenómenos com que nos deparamos todos os dias! Melhor ainda, é graças ao modelo do electrão como partícula blá blá blá e da tecnologia que daí advém que consigo escrever este comentário!

Quanto aos espíritos, primeiro vais ter que definir o que é um "espírito". Depois podemos continuar a "conversa".

purpurina disse...

não me parece que a menina ali de cima estivesse a usar o verbo ver significando apenas o que se apreende do mundo com o sentido humano da visão.

quanto aos espíritos e afins a questão é outra. o facto de não serem "visíveis ou palpáveis por toda a gente" coloca-os imediatamente num plano fora da ciência. resultados científicos não dependem nunca de quem faz a experiência.

*