22 dezembro 2010

acho que sonhei com isto

estava a caminho da casa-de-banho de um sítio qualquer e passei por duas moças muito fashion, muito novinhas, agarradas ao ipod ou iphone ou qualquer outra coisa i dessas demasiado tecnológicas para a minha cabeça velha, de auscultadores no ouvidos e a dançar com a cabeça. estavam a cantar num inglês emprestado, daqueles em que se inventam as palavras que se misturam com os instrumentos, mas com um espécie de sotaque (pronúncia? dialecto?) cockney. e isso fez-me feliz.

fim.

viagens de ver ou viagens de sentir

"Dois dias é o suficiente para gastar dinheiro numa viagem a um lugar estrangeiro para visitar monumentos. (...) Não vale a pena vir ao Porto por dois dias porque nada verão. É uma cidade sem monumentos, mas é uma cidade monumental e isso precisa do seu tempo para ser saboreado."

sleigh bells

isto esteve na minha pasta do limbo quase um ano. como é que é possível?

natal


do sr. jq, que acabou de me ensinar o que é o natal


os primeiros 30 segundos partiram-me o coração por causa duma cassete em que, há uma data de anos, colei um pedacinho de fita-cola naquele buraquinho a um canto para gravar uma merda de música qualquer, uma parvoíce tão sem jeito que nem me lembro o que era. gravei por cima da voz do meu mano, com 3 ou 4 anos, que contava que tinha ido ao oculista e que o oculista tinha sido muito simpático e lhe tinha feito perguntas e lhe tinha dado uns ótulos esturros - que eram uns óculos à elvis, de plástico grosso azulão. merda de ódios parvos quando se tem uma dezena de anos. já nessa altura eu era má pessoa.

da melodia na voz

20 dezembro 2010

quero ir embora daqui! ou pelo menos encarnar o senhor archibaldo por uns momentos a ver se alivio.


flibusteiros, marinheiros de água doce, mercenários, açambarcadores, judas, renegados, esquizofrénicos, rizópodos, ectoplasmas, emplastros, trogloditas, aztecas, sapos do deserto, vendedores de tapetes, iconoclastas, zulos, parasitas, bexigosos, sacripantas, esclavagistas, tecnocratas, vegetarianos, quadrúpedes, corsários, hidrocarbonetos, canacas, giroscópios, doríferos, zuavos, antropopitecos, anacolutos, invertebrados, tocadores de gaita-de-foles, bichos-de-conta, velho pepino, sinapismo, escolopendras, velho cachalote, coleópteros, atarracados, anacoretas, bichas-solitárias, piróforos, colocíntidas, zigomicetes, gargarejos, cataplasma, saguins, espécie de iconoclasta míope, fanfarrão de orquestra, cretino dos alpes, equinodermes, fagote de madagáscar, galináceos, espécie de babuínos, cercopitecos, velhacos feitos de extracto de cretino, turcos, saltimbancos amestrados, espécie de analfabeto diplomado, bacalhau atlético, zebróide, protozoários, lagarto desmontável, bando de zapotecas, patagónios, micróbio ornitorrinco, espécie de logarítmo, ratos neurasténicos, ciclotrão, pepino em conserva, pedaço de morcego, cabeça de martelo, emplastro em banha de ouriço, concentrado de mexilhão bexigoso, viviseccionistas, torcionários, antropófagos, astronauta de água-doce, espécie de selvagem interplanetário, subproduto de ectoplasma, bugre subnutrido, cretino dos balcãs, autodidactas, bugre de creme de emplastro à base de idiotice, polígrafos, bazucas dos cárpatos, selvagens preparados com molho tártaro, incendiários, fenómeno de canibal, anticristo, barroco, coloquinta, visigodos, pedaços de energúmenos com nariz de coco, espécie de equilibrista, cretinos do himalaia, espécie de cro-magnon, mamelucos, macrocéfalos, rocambole, filoxera, pterodáctilo, sátrapa, espécie de lobisomem com gordura de ranúnculo, velha coruja enferrujada, oficlídio, espécie de diplodocus escapado directamente da pré-história.

roubei a lista aqui. agradeço muito.
(mas, a sério, "com pilação"?)

mensagem de natal

mouse over text: at least, with p < 0.05 confidence.

13 dezembro 2010

já há um bocado que me anda a incomodar

isto:


é igual a isto:


mew

igualzinho.

queima tempo

não me apetece fazer nenhum, por isso peguei nesta listinha e decidi fazer contas à vida. o código de cores vai meio-copiado, que aquilo pareceu-me bem: azul: já está; amarelo: já esteve e/ou há-de estar novamente (por algum defeito de personalidade não consigo abandonar nenhum livro. os que me chateiam vão-se acumulando na mesinha-de-cabeceira à espera de mais paciência). aqui vai:

1 Pride and Prejudice - Jane Austen

2 The Lord of the Rings - JRR Tolkien (só li os dois primeiros, nem digo há quanto tempo porque tenho vergonha de ser tão velha. quando a histeria toda começou com isto dos filmes ainda considerei ler o terceiro, mas não me chegou a vontade)

3 Jane Eyre - Charlotte Bronte

4 Harry Potter series - JK Rowling (li dois ou três, já nem me lembro. o primeiro porque o ofereci em inglês à minha irmã e ela nem pegou naquilo. estava a fazer-me impressão ver o livro enxovalhado assim. depois acho que mais dois já em português para ver se percebia qual era a excitação toda com o harry potter. nunca percebi. e a tradução pareceu-me tão fraquinha...)

5 To Kill a Mockingbird - Harper Lee

6 The Bible (comecei, mas o papel bíblia é uma coisa terrível)

7 Wuthering Heights - Emily Bronte

8 Nineteen Eighty Four - George Orwell (tenho vergonha...)

9 His Dark Materials - Philip Pullman

10 Great Expectations - Charles Dickens (este foi tão puxado a ferros!)

11 Little Women - Louisa M Alcott

12 Tess of the D’Urbervilles - Thomas Hardy

13 Catch 22 - Joseph Heller

14 Complete Works of Shakespeare (todos não. deixa ver: hamlet, romeu e julieta, sonho de uma noite de verão, tudo está bem que acaba bem, muito barulho por nada, macbeth, o rei lear, a tempestade, ...)

15 Rebecca - Daphne Du Maurier (na verdade, não faço ideia se li)

16 The Hobbit - JRR Tolkien

17 Birdsong - Sebastian Faulk

18 Catcher in the Rye - JD Salinger

19 The Time Traveler’s Wife - Audrey Niffenegger

20 Middlemarch - George Eliot

21 Gone With The Wind - Margaret Mitchell

22 The Great Gatsby - F Scott Fitzgerald

23 Rayuela - J. Cortázar (faltava aqui o número 23, por isso acrescentei este. só porque é um grande calhamaço que me custou a ler como tudo)

24 War and Peace - Leo Tolstoy

25 The Hitch Hiker’s Guide to the Galaxy - Douglas Adams

27 Crime and Punishment - Fyodor Dostoyevsky

28 Grapes of Wrath - John Steinbeck

29 Alice in Wonderland - Lewis Carroll

30 The Wind in the Willows - Kenneth Grahame (estou à espera de receber uma edição bonita para ver se leio o resto)

31 Anna Karenina - Leo Tolstoy

32 David Copperfield - Charles Dickens

33 Chronicles of Narnia - CS Lewis

34 Emma -Jane Austen

35 Persuasion - Jane Austen

36 The Lion, The Witch and the Wardrobe - CS Lewis

37 The Kite Runner - Khaled Hosseini

38 Captain Corelli’s Mandolin - Louis De Bernieres

39 Memoirs of a Geisha - Arthur Golden

40 Winnie the Pooh - A.A. Milne

41 Animal Farm - George Orwell

42 The Da Vinci Code - Dan Brown (horas de vida deitadas ao lixo)

43 One Hundred Years of Solitude - Gabriel Garcia Marquez

44 A Prayer for Owen Meaney - John Irving

45 The Woman in White - Wilkie Collins

46 Anne of Green Gables - LM Montgomery

47 Far From The Madding Crowd - Thomas Hardy

48 The Handmaid’s Tale - Margaret Atwood

49 Lord of the Flies - William Golding

50 Atonement - Ian McEwan

51 Life of Pi - Yann Martel

52 Dune - Frank Herbert

53 Cold Comfort Farm - Stella Gibbons

54 Sense and Sensibility - Jane Austen

55 A Suitable Boy - Vikram Seth

56 The Shadow of the Wind - Carlos Ruiz Zafon

57 A Tale Of Two Cities - Charles Dickens

58 Brave New World - Aldous Huxley (tenho vergonha...)

59 The Curious Incident of the Dog in the Night-time - Mark Haddon (este ainda não comecei, mas está na minha prateleira há mais de um ano)

60 Love In The Time Of Cholera - Gabriel Garcia Marquez

61 Of Mice and Men - John Steinbeck (tenho vergonha...)

62 Lolita - Vladimir Nabokov

63 The Secret History - Donna Tartt

64 The Lovely Bones - Alice Sebold

65 Count of Monte Cristo - Alexandre Dumas

66 On The Road - Jack Kerouac (depois de the dharma bums não há pachorra)

67 Jude the Obscure - Thomas Hardy

68 Bridget Jones’s Diary - Helen Fielding

69 Midnight’s Children - Salman Rushdie

70 Moby Dick - Herman Melville

71 Oliver Twist - Charles Dickens

72 Dracula - Bram Stoker

73 The Secret Garden - Frances Hodgson Burnett

74 Notes From A Small Island - Bill Bryson

75 Ulysses - James Joyce (não sei se acabei. tinha 12 anos e varicela, devorei tudo o que havia em casa, incluindo as instruções dum aspirador-fantasma que já tinha ido para o lixo há muito. é claro que não conta, não me lembro de nadinha... a ilíada também me passou pelas mãos nesta altura)

76 The Inferno – Dante

77 Swallows and Amazons - Arthur Ransome

78 Germinal - Emile Zola

79 Vanity Fair - William Makepeace Thackeray

80 Possession - AS Byatt

81 A Christmas Carol - Charles Dickens

82 Cloud Atlas - David Mitchell

83 The Color Purple - Alice Walker

84 The Remains of the Day - Kazuo Ishiguro

85 Madame Bovary - Gustave Flaubert

86 A Fine Balance - Rohinton Mistry

87 Charlotte’s Web - E.B. White

88 The Five People You Meet In Heaven - Mitch Albom

89 Adventures of Sherlock Holmes - Sir Arthur Conan Doyle

90 The Faraway Tree Collection - Enid Blyton (li tanta coisa da senhora e nem sei o que isto é)

91 Heart of Darkness - Joseph Conrad

92 The Little Prince - Antoine De Saint-Exupéry

93 The Wasp Factory - Iain Banks

94 Watership Down - Richard Adams

95 A Confederacy of Dunces - John Kennedy Toole

96 A Town Like Alice - Nevil Shute

97 The Three Musketeers - Alexandre Dumas

98 Hamlet - William Shakespeare

99 Charlie and the Chocolate Factory - Roald Dahl

100 Les Miserables - Victor Hugo

mas esta lista é um bocado parva, não é? acho que até vi por aí uns quantos nomes mal escritos, mas estou sem paciência para corrigir (isto não parece meu). e faltava-lhe o número 23.


ai, as formatações do blogger...
raiva.

pub pub pub pub pub pub pub

a menina c. voltou e já deu cabo de mim. fiquei apanhadíssima com isto:


vão lá espreitar, é tão bom. quero mais!

pub*


«Minta é Francisca Cortesão, um dos nomes mais interessantes do folk português dos últimos anos.
Em 2008 lançou o EP You, ao que se seguiu, em 2009, o primeiro longa duração Minta & the Brook Trout, gravado com a formação que hoje a acompanha: Mariana Ricardo, Manuel Dordio e Nuno Pessoa. Francisca tem também trabalhado como guitarrista/teclista na formação ao vivo de David Fonseca e colaborado com alguns artistas nacionais, entre outros, B Fachada, com quem partilhou o palco no último Super Bock em Stock, ou com os Domingo no Quarto.

Em Carnide, no Teatro da Luz, prepara-se um fim de tarde especial, com Minta & the Brook Trout a convidarem uma série de amigos para partilharem o palco, numa actuação que será depois lançada pela Optimus Discos. Entre outros, passarão no palco do Teatro da Luz: David Santos (Noiserv), Márcia Santos (Márcia) e Luís Nunes (Walter Benjamin). Entre músicas novas e músicas menos novas como nunca as ouvimos, será sem dúvida uma tarde única.

Bilhetes à venda na Flur (Sta. Apolónia) e Matéria Prima (R. da Rosa), a 7 EUR (venda antecipada, sujeito a comissão) ou a 10EUR no próprio dia.

(...)

Esperamos ver-vos lá,
Nariz Entupido




*desgraçados.
não sabiam esperar por mim 2 diazinhos?
bah.

08 dezembro 2010

bofetadas compatíveis com a dignidade da pessoa humana

«a agressão em causa “não revela uma intensidade, ao nível do desvalor, da acção e do resultado, que seja suficiente para lesar o bem jurídico protegido – mediante ofensa da saúde psíquica, emocional ou moral, de modo incompatível com a dignidade da pessoa humana”»

que vómito.

07 dezembro 2010

para alegrar um dia triste, mesmo a tempo do (vosso*) feriado.

*pus este vosso entre parênteses porque
por cá amanhã trabalha-se como nos outros
dias, mas depois fui olhar bem para a data e
descobri que afinal o vosso até tem duplo
significado. imaculada conceição... ahaha!

(credo, que agressiva)

06 dezembro 2010

dos socos

não sei se isto é dalguma das 3 injecções anestésicas que levei na boca hoje de manhã, mas o sôr instrutor de boxe aqui do sítio é muito engraçado. parece-me que vou ficar uma profissional.

"a educação vai salvar portugal", "mais de metade não completou o secundário" ou como eu hoje me encolho de vergonha e fujo das pausas para café

parangonas de hoje no jornal que recebemos aqui no departamento - duas páginas inteirinhas dedicadas a desancar nos ignorantes portugas. que dor de coração. se alguém se quiser aventurar armado do tradutor do google ou coisa assim, espreite aqui: utbildning ska rädda portugal e hälften har inte gått ut gymnasiet.

basicamente explica que está tudo fodido. perde-se a batalha com a china que consegue fabricar tralha a preços muitíssimo mais baixos (por enquanto ainda se explora com mais comedimento em portugal do que na terra do sol nascente) e perde-se a batalha com os novos membros da ue, cuja população sabe mais pelo mesmo preço. nada de novo, mas a estalada dói na mesma.

04 dezembro 2010

para que leiam comigo.
hum, depois disto os 3500 km custam um bocadinho mais. merda.

you go, alan harper!


ahahaha!

corro o risco de ofender uma certa pessoa, mas não resisto a deixar aqui uma ligaçãozinha.

02 dezembro 2010

musgo

assim de repente até têm a sua piada.

aquelas reticências todas
(e o palavreado... desnecessário...)
é que se dão um bocado mal... comigo...

01 dezembro 2010

alguém me diz, por favor, o que é que eu andei a fazer o dia todo? é que não faço ideia nenhuma.

framtidens melodi


song of tomorrow

mora-se nos sítios, mas só se descobrem estas coisas bonitas porque há gente atenta a milhares de quilómetros daqui. quero ver! (e ter, estou muito possessiva)

aquilo ali onde ele está a cantar no início do
trailer é o centro comercial grande e a piscina
é a dois passos do meu apartamento antigo e
aquela massa de água gigante é o vänern,
o terceiro maior lago
da europa (uma das pontas vê-se da minha varanda).

para os mariquinhas que se queixam do frio

há bocadinho, faltava pouco para as 10h, estavam 16 graus negativos. e eu hoje de manhã saí de casa com o cabelo molhado (não foi dos meus melhores momentos, admito).

30 novembro 2010

bonecas grávidas

vejam aqui.
roubado, claro.

o que faço pelo planeta por preguiça (v)

raramente aspiro. aspirar é um dos meus pequenos ódios (é isso e dobrar meias). odeio aspirar e não sei porquê. prefiro varrer, embora saiba que demora mais tempo e tudo. normalmente o que faço é varrer e depois passar com uma daquelas coisas maravilhosas tipo swiffer, daquelas que se podem lavar e voltar a usar. claro que faço isso apenas quando as nuvens de cabelos+pó ameaçam soterrar-me, mas isso já é outra conversa (os meus limites de preguiça dariam uns textos muito embaraçosos). e pronto. só aspiro o sofá.

29 novembro 2010

piada parva

outra palavra bonita em sueco é kiss.

26 novembro 2010

que lindo

vão espreitar o que aparece no xkcd hoje. e carreguem nos recantos todos da exposição, que é bonito. vou apontar algumas coisas...
já vi por aí gente a queixar-se do frio. fracos. aqui estão 10 graus negativos e vento. é a morte.

confirmo

a palavra é gift.

24 novembro 2010

apelo

eu gostava muito de conseguir ver o filme josé e pilar no ecrã grande quando for a lisboa daqui a um mês. 'bora mantê-lo nas salas de cinema até lá? nada egoísta, eu sei.



e a musiquinha do
david ao fundo e tudo.
hoje vim trabalhar, mas a minha porta tem uma mensagem pendurada: strejkar. a minha greve não é na suécia, é em portugal. acho difícil seguir esta conversa toda de pecs e orçamentos e greves. nunca sinto que já sei o suficiente para me decidir e a maioria do que se ouve é tão parcial e politizado que desconfio sempre que há mais qualquer coisa por trás que não me estão a contar. de qualquer maneira, acho importante dizer que isto vai mal e que o caminho que foi escolhido mata mais do que cura. disso não duvido. gostei do que li aqui.

23 novembro 2010

tentei, mas não consigo

aqui vai mais um momento cleptomaníaco. desta vez duplo.

o que faço pelo planeta por preguiça (iv)

separo o lixo todinho*. experimentem. o número de vezes que se tem de atravessar a rua gelada até aos contentores é drasticamente reduzido. uma beleza. o chato disto é quando a pilha de jornais e coisas começa a tombar, mas aí só posso culpar os meus níveis elevados de preguiça.


*por aqui cada edifício tem de pagar separadamente
a recolha do lixo e o meu senhorio só se lembrou
de ter o mínimo exigido (vidro, papel e indiferenciados).
é sempre uma aventura esgueirar-me até aos contentores para
plástico e alumínio dos prédios vizinhos para largar os
meus saquinhos. quem disse que separar lixo não é excitante?

22 novembro 2010

é só impressão minha ou a radar tem cada vez mais merda a passar? hoje já tive de desligar aquilo umas 5 ou 6 vezes que não se aguenta a pobreza.
nova recaída de cleptomania.

o que faço pelo planeta por preguiça (iii)

aqui traz-se o almoço de casa, numa matlåda*. há frigoríficos e paredes decoradas a microondas espalhadas pela universidade para os alunos e uns recantos ou salas de almoço mais especiais reservadas para os desgraçados que por cá trabalham. uma por faculdade ou departamento, depende dos caprichos do arquitecto. onde eu estou, o frigorífico ainda é a uns bons 10 m do meu gabinete e para o lado contrário da sala de almoço. geralmente não estou para ir até lá de propósito guardar o meu taparuere só para ter de o ir buscar de novo passadas 3 ou 4 horas. (por acaso a máquina do café está praticamente em cima do frigorífico e não tenho problemas nenhuns em ir até lá...). bom, isto tudo para avisar que qualquer dia me dá uma coisinha no estômago porque não guardo a comida no frigorífico durante a manhã. o que acaba por ser uma poupança energética porque não gasto nada a refrigerar a coisa e mais tarde, quando a quiser aquecer, também gasto menos energia. ah, nada rebuscado, isto...

*caixa da comida/lancheira

19 novembro 2010

o que faço pelo planeta por preguiça (ii)

não passo a ferro. nada. explicação das vantagens dispensável.

o que faço pelo planeta por preguiça (i)

uso as calças de ganga até ao último fiozinho.

1. só as lavo quando se aguentam em pé sozinhas ou têm manchas demasiado grandes para passarem despercebidas a 20 m de distância;

2. faço-lhes tantos remendos que alguns pares têm mais ganga acrescentada do que ganga original.

poupa-se em água e electricidade e detergente porque se lavam menos vezes; poupa-se em energia e material e coisos porque se compram menos calças novas e, ao mesmo tempo, dá-se trabalho à costureira do bairro, reutiliza-se tecido e poupa-se em paciência porque não é preciso percorrer 4 000 lojas à procura de um par que não nos gangrene as pernas por cortar a circulação/não tenha manchas de lixívia/tenha tecido suficiente para nos tapar o cu. só vantagens.

o que faço pelo planeta por preguiça - intro

inspirada nisto, nisto e noutras coisas, decidi começar uma rubrica por aqui em que partilho com quem quiser aquelas coisas maravilhosas e aliviadoras de consciência ambiental que faço, com a particulariedade de serem largamente motivadas pela preguiça e, por isso mesmo, extremamente atraentes mesmo para quem se borrifa para o ambiente.

(aproveito para mandar a minha posta acerca de comércio justo e coisas biológicas e o caracinhas, já que uma das ligações aqui acima fala disso: com excepção da carne, as coisas biológicas não me convencem e chateia-me que se misturem com as etiquetas de comércio justo. gosto muito da horta do meu pai, mas não me parece que esta seja uma solução viável ou sequer ecológica para o mundo. coisas que ver com quantas bocas querem alimento, problemas de pragas, fraco crescimento das culturas e mais bláblá. qualquer dia pode ser que elabore isto. entretanto, se alguém quiser rebater esta posição esteja à vontade. agradeço)

16 novembro 2010

sempre me fez confusão isto de embelezar casas com coisas em decomposição


notas

nisto aqui abaixo usei retrete, wc, casa-de-banho e sanitários. uma vez cada um. não é lindo?

gostava de ter um equivalente para mens em português. é fofinho.

e viva o direito à privacidade e essas coisas

o que isto aqui acima diz é que há uma empresa que obriga as mulheres a usar uma fitinha vermelha no pulso quando estão menstruadas. é que assim têm justificação para ir à retrete mais vezes. não são uns queridos? (se calhar até há quem agradeça por outras razões)

há ainda outra empresa que fornece códigos para as portas dos wcs aos empregados. parece que há uns tempos questionou uma empregada por o usar demasiadas vezes - já não se pode ter diarreia.

são duas empresas norueguesas. (isto tudo descobriu-se numa investigação que um sindicato norueguês andou a fazer)

ainda acerca de casas-de-banho, têm aqui [pdf] uma boa leitura. em nairobi paga-se para usar os sanitários públicos (uma grande percentagem da população não tem outra alternativa, exceptuando as flying toilets. vão ler o que é, não me apetece explicar) e o risco de violação para mulheres que se atrevam a percorrer umas míseras dezenas de metros até lá é gigantesco.

deprimi-me.

15 novembro 2010

já está

pronto, já me cansei desta música aqui abaixo. demorou um bocadinho, ainda foram uns bons dez minutos.

hoje sinto-me assim


parece que sou de paixões


12 novembro 2010

entretanto os juros baixam e ninguém diz nada.

e agora intervalo para publicidade

Haruko
Hlynur
Gudjonsson


Haruko é Susanne Stanglow.
Jovem artista de nacionalidade alemã, Haruko surge na cena folk/songwriter alemã como uma das novas vozes de referência. Através do seu primeiro LP Wild Geese cria um mundo doce e inocente, ligando-nos através da sua voz aos sentimentos mais puros e íntimos do nosso ser. Lembra-nos como podemos viver em paz em torno de uma música simples mas bela, fazendo-nos esquecer a agonia constante da nossa própria inquietação.


Haruko apresentar-se-á pela primeira vez em Portugal para uma pequena digressão por três espaços intimistas (Vale de Cambra, Évora e Lisboa) que terão a oportunidade de conhecer esta songwriter em ascensão em solo germânico e nos meandros da folk mundial. Virá acompanhada pelo islandês Hlynur Gudjonsson que será também o responsável pela primeira parte do concerto.

Susanne partilhou palcos com bandas como Tunng, Ora Cogan, James Blackshaw, Ruby Suns ou Islaja apresentando-se em Portugal após ter tocado com Emily Jane White.

http://www.myspace.com/haruko.music
http://www.myspace.com/hlynurgudjonsson
http://www.youtube.com/watch?v=tkXXXCHQ4WE
http://www.youtube.com/watch?v=mhWcu2HsWXk

A digressão passará já esta semana por:

Sex 12 Nov > Vale Pandora (Auditório ACR) - Vale de Cambra - 22:30 [3€ sócios/5€ não sócios]
Sáb 13 Nov > Sociedade Harmonia Eborense - Évora - 23:00 [3€]
Dom 14 Nov > Clube Ferroviário - Lisboa - 16:00 [entrada livre]

Esperamos por vocês em qualquer um destes espectáculos...

O Nariz Entupido


(copiar&colar directo, que eu neste instante sou uma pessoa sem pingo de criatividade)

vamos lá pôr ordem nisto

ora bem, todos os anos é a mesma merda. eu saio daqui da pasmaceira (isto é suécia, mas não é estocolmo, ó gente) cheiinha de vontade de fazer e ver coisas bonitas mas como é natal e toda a gente quer estar de férias (tal é o desplante) nunca há concertos ou peças de teatro ou exposições ou sei-lá que me valham. este ano parece que se estão a preparar para me passar a mesma rasteira dos outros anos. dia 19dez até há coisas a acontecer* e dia 12jan vai o sô manel cruz pôr-se aos pinotes em braga (e eu que queria tanto visitar o theatro-circo porque nunca vi e dizem que é bonito). mas que merda é esta afinal? eu chego dia 21dez à noitinha e ainda fico uma porrada de tempo até depois dos reis. não se arranja nada? um esforçozinho por mim, vá lá. só uma coisinha simples, nada de complicado. é que fazia-me tanto bem cá à alma...

*ainda não aparece nada, mas falem com esta gente
(quando é que o sítio fica a funcionar?)

ando com o douro entalado na garganta há muito tempo. um nó que não desaparece, uma urgência que se vai disfarçando com a anestesia dos dias mal vividos. como as urgências de pão quente com manteiga ou das águas frias do atlântico ou de leite-creme perfeito com caramelo a estalar. e depois, de repente, o tempo corre muito depressa e parece que já é quase tarde demais.



menino pp, é esta a prenda de natal que quero.

11 novembro 2010

olha que graça

as notícias nos jornais online que nos contam o quão mau isto está e que pobrezinhos que somos e que já batemos no fundo e tal estão pejadinhas de comentários. as que nos dão conta de coisas positivas estão sempre às moscas.
não lhes desejo o mal

10 novembro 2010

oh, que caraças...

ontem, quando saí do edifício da universidade, fui recebida pelas primeiras neves deste inverno. estava escuro, frio e escorregadio. hoje está mais claro (a neve cobriu tudo; os meus agradecimentos por alegrar novembro), mas continua escorregadio e frio. estou cansada.

09 novembro 2010

remexendo no tempo

hoje fui dar aqui sem querer (ou a querer muito não trabalhar, mas isto não é bom admitir). que fixe, que fixe, que fixe! claudjinha, és um espanto. eu não me tinha esquecido, mas agora apetece-me mesmo dar-te um abracinho. daqueles sem língua, que somos tímidas.

imprimi e está a adornar a porta do gabinete. a ver se ninguém nota que entretanto já tenho mais uns centímetros de largo, cof cof.

este sábado em beja

e castanhas e água-pé e coisas

meu deus, serei fútil?

«Hedonistic Humanist

You are one of life’s enjoyers, determined to get the most you can out of your brief spell on this glorious planet. What first attracted you to atheism was the prospect of liberation from the Ten Commandments, few of which are compatible with a life of pleasure. You play hard and work quite hard, have a strong sense of loyalty and a relaxed but consistent approach to your philosophy. You can’t see the point of abstract principles and probably wouldn’t lay down your life for a concept, though you might for a friend. Something of a champagne humanist, you admire George Bernard Shaw for his cheerful agnosticism and pursuit of sensual rewards, and your Hollywood hero is Marlon Brando, who was beautiful (for a while), irascible and aimed for goodness in his own tortured way. You adored the humanist London bus slogan (“There’s probably no God, now stop worrying and enjoy your life”) and are delighted that wild young comedians like Stewart Lee, Christina Martin and Ricky Gervais share your full-blooded rejection of religion. Sometimes you might be tempted to allow your own pleasures to take precedence over your ethics. But everyone is striving for that elusive balance between the good and the happy life. You’d probably better open another bottle and agree that for you there’s no contest.»

experimentem aqui. (daqui)

08 novembro 2010

ânimo

puxa um bocadinho dum lado, outro bocadinho do outro. a ver se aparece o sorriso. obrigada.

os cinco

«"I say, isn't that ripping!" said Dick.

"Jolly, awfully jolly good!" said Julian.

"Top hole!" cried George.

"I am so fucked," said Anne.»


hehehe...

machine of death

não se faz nada

o pânico de última hora chega cada vez mais tarde. por vezes nem chega.

05 novembro 2010

já agora, isto do sexo/género veio tudo porque me lembrei da enid blyton e d'os cinco. não estavam à espera desta, pois não? qualquer dia explico melhor se me apetecer. ou então releiam os cinco, percebe-se num instante.

agora é que é: adeuzinho.

acrescento

ora bem, teria feito melhor figura se tivesse ficado caladinha com isto da irritação aqui abaixo...

sexo:
"1. diferença física ou conformação especial que distingue o macho da fêmea.
2. conjunto de indivíduos que têm o mesmo sexo.
(...)"

género:
"(...)
12. propriedade de algumas classes de palavras, nomeadamente substantivos e adjectivos, que apresentam contrastes de masculino, feminino e por vezes neutro, que podem corresponder a distinções baseadas nas diferenças de sexo.
13. Conjunto de propriedades atribuídas social e culturalmente em relação ao sexo dos indivíduos."

o priberam é que diz...

ignorância, então. cof cof.

coisas que me irritam

já tenho práqui uma data de entradas com coisas que me irritam (eu sou bastante irritável), mas não tenho etiquetas nem estou para procurar agora. vai mais uma. e fica a vontade de arrumar esta casa direitinha (não é bem vontade, nem sei que lhe chame). bom, 'bora lá à irritação:

pessoas e animais têm sexo, palavras têm género. percebido? esta coisa de traduzir gender issues por coisos de género não me convence. coisos de sexo também não fica bem, concordo. não sei que faça. se calhar isto nem é irritação, é ignorância. seja, também tenho direito.

bom fim-de-semana, ó gente.

03 novembro 2010

é no estômago que se esconde a saudade

andei a fazer uma espécie de guia de lisboa para uns professores daqui que vão de visita para a semana e têm um dia de passeio. escrevi muito, muito mais do que o que eles conseguem fazer num mísero dia, e do muito que escrevi a maior parte era acerca de comida.

não admira que esteja gorda.

parece que há qualquer coisa com a b-on

espreitem aqui a petição.

02 novembro 2010

lá lá lá


glimmers e coisas

ando a ver se espanto os moços bascos da cabeça, mas está difícil.

01 novembro 2010

passou um ano num instantinho. aqui tenta-se matar saudades.

29 outubro 2010

irritações

isto é muito azedume logo pela manhã, mas tenho de me livrar dele antes que me estrague o dia. alguém me explica porque é que queques passaram a ser muffins e muffins passaram a ser cupcakes? nunca percebi. irrita-me.

e agora vou enterrar-me no laboratório. adeuzinho.

28 outubro 2010

27 outubro 2010

o nosso fado é chorar.

exigência

43 relatórios. >20 minutos por relatório. tão mau que dói. passo tudo, não quero vê-los outra vez e outra vez e outra vez e outra vez.

houve um relatório bom.

26 outubro 2010

preciso de arregaçar as mangas, mas não me lembro como se faz.

23 outubro 2010

confissão

nunca fiquei com meias desirmanadas depois de lavar e secar a roupa.

egoísmo natalício

ontem comprei as primeiras prendas de natal. são bonitas, quero ficar com elas para mim.

22 outubro 2010

capacidades

tenho aperfeiçoado de tal maneira as minhas qualidades de procrastinadora que me parece que se me dessem um daqueles trabalhos-tortura para obrigar um trabalhador a despedir-se sem indemnização (aqueles do toma lá mil milhões de notas por mês, um gabinete e nenhum trabalho) era capaz de me safar bem. que miséria.

hoje aprendi uma palavra nova

sarapitola. pelo contexto percebi o que era, mas (uau!) nunca pensei... é gira. rima com pintarola.
andamos todos caladinhos.
ontem comecei a usar gorro. esta noite nevou.

21 outubro 2010

impulsos

sempre que vejo erros ortográficos em páginas e blogues e assim (á em vez de à ou à em vez de há ou ininputável em vez de inimputável ou à descrição em vez de à discrição* ou ou ou) sinto uma vontade quase incontrolável de deixar um comentário com uma correcção (simpática se achar o sítio fixe, mais ácida se aquilo me der volta ao estômago - sou um bocado torcida). ou então penso em enviar um mail curtinho com a dica (o que implicaria desvendar o meu email pessoal ou criar um de propósito para estas coisas). normalmente desisto e não faço nada, mas fico a remoer a coisa por um bocado. não sei como é que as pessoas reagiriam com um desconhecido a apontar o dedo assim à descarada.

se virem algum destes erros por aqui, ou outros piores, agradeço que me avisem. eu não mordo muito.

*esta não se vê muito nestas coisas da
rede, mas chateia-me. nestes casos, quando tenho os
erros na mão, pego na caneta e corrijo. cobardias.

15 outubro 2010

mas pelo menos ainda há coisas bonitas a acontecer por aí

vão espreitar o resto aqui, vãovãovão. e sigam as outras ligações, simsimsim.
se foi o bom humor.

já está

hoje tinha um envelopezinho à minha espera quando cheguei a casa. tudo direitinho, selo branco e assim. já vou poder votar daqui destas terras frias. espero que me chegue o boletim de voto a casa ou vou enviar a conta do comboio, estadia e dia de trabalho perdido à comissão nacional de eleições (acho que eles já estão com medo porque o sítio nem abre).

14 outubro 2010

coisas menos sérias

no sábado vou ser o gulliver e estes vão ser os meus liliputianos:

não têm um ar muito ameaçador, talvez tenha de lhes alterar as sobrancelhas e acrescentar uns machetes e tal. se calhar também uso o rei.

parece que ando a viver à custa de 1,2 planetas


tem alguma piada comparar diferentes leituras do mesmo relatório; por exemplo esta com esta. ver também esta notícia aqui.

13 outubro 2010

10 outubro 2010



estava mais em modo variações, mas passada uma hora e 4 minutos de iutubices acabei assim.

08 outubro 2010

03 outubro 2010

continua tudo na mesma

reconhecem a torre?
este grito voou até ao outro lado do atlântico.

30 setembro 2010

digam-me, anda tudo doido por aí?

eu hoje até tremo com medo de cada vez que espreito um jornal ou um blogue ou assim. tudo doido varrido.

29 setembro 2010

politiquices em modo relâmpago

li isto e comecei a ferver por dentro, acho até que me começou a escorrer uma gota (de suor? de sangue?) testa abaixo; mas depois li isto aqui e acalmei um bocadinho.

28 setembro 2010

palavras

aqui em baixo escrevi menina e coninhas e mariquinhas e hesitei em carregar no botão para publicar. será necessário sanear as palavras? quem me conhece sabe o que quero dizer, nunca pensariam que por trás destas palavras se escondessem homofobices ou anti-feminismos. nunca. também atiro credos e mães do céu a torto e a direito e ultimamente pouco me tem irritado mais do que a religião. não gosto de saneamentos de palavras. não gosto dos politicamente correctos. não gosto de sinais de aspas feitos com os dedos. não gosto de sinais inventados que não são precisos. não gosto que se percam palavras por não se querer saber o que significam. vou dormir.
isto do blogue nunca pegou realmente. não digo em relação àquela coisa das visitas e sou a maior e toda a gente me adora e tal. isso não me interessa. digo comigo. comigo nunca pegou. e daí a constante ausência de palavras, embora a palavra seja tudo. de vez em quando vou na rua e vejo qualquer coisa engraçada que gostava de fotografar ou penso numa merda qualquer e acho que é um espanto e tão original e mais não sei quê, ai que pena se eu não disser ao mundo isto tão espectacular que agora me aconteceu. mas é só naquele instante, a ilusão da grandeza desaparece logo. a única coisa que acaba por realmente me chatear é saber que muito provavelmente perderei aquele momento. deixei de ter cadernos de retalhos que mais tarde sirvam de máquina do tempo (ou melhor, deixei-me de guardar retalhos; ainda compro compulsivamente os cadernos onde os guardar) e no início desta brincadeira ainda me enganei achando que o blogue também serviria para isso.

no entanto, o que mais me dói nem é isso. isso é merda, se eu quiser realmente guardar momentos na memória arranjo maneira. não é a falta de blogue que me obriga a esquecer. o que me chateia é esta coisa da fragmentação. claro que temos todos muitas faces e que as mostramos ou ocultamos constantemente regidos por critérios que nem a nós próprios revelamos. o meu problema é que por vezes releio o que escrevi por aqui ou o que coloquei e odeio. odeio-me. se fosse uma coisa de um desconhecido nunca mais lá voltaria e muito provavelmente fecharia o separador com um trejeito do lábio superior esquerdo num misto de arrogância e desprezo. não é estranho, não gostar assim duma parte de nós? claro que isto são imagens redutoras, não digo que me odeie. é aquele bocado de mim, que aparece assim a nu, isolado do resto, desfolhado do que lhe dá significado, que eu odeio. talvez porque num qualquer plano me envergonhe - ou por saber que por momentos sou daquela maneira, mesmo não querendo, ou porque a distância entre isto que eu sou aqui, neste sítio onde estou de carne e osso e tudo, não é, nunca poderá ser, aquilo que as palavras/imagens/vídeos que por azar escolhi partilhar mostram. talvez seja isso, a injustiça da coisa, que me chateia.

isto tudo para justificar a minha necessidade constante de aperfeiçoamento e/ou o esporádico desaparecimento de publicações. sou uma menina.*

* não quero dizer uma menina no sentido de identidade
sexual ou assim; quero dizer coninhas, mariquinhas, isso.
mas adormeci a ouvir isto.

ouvi isto pela primeira vez há muitas semanas* e hoje não me larga os ouvidos desde que acordei


jai paul
*algures por aqui, talvez?

15 setembro 2010

(procrastinação ao mais alto nível)

é que eu até me estou mais ou menos a cagar para a roupa (e escrevi "roupa linda"? credo...). porque é que não me dá para limpar em vez disto? dava-me um jeitão.

até tenho coisas importantes a chatear-me

mas neste momento o que não me sai da cabeça é isto:

se não emagreço não caibo na minha roupa linda de inverno (e nalguma de verão de há tanto tempo);
se emagreço fico a boiar na roupa linda que agora me serve.


já me preocupava era com os
gráficos que não estão prontos e que
tenho de apresentar amanhã...



gostei muito.

08 setembro 2010

desabafo

o meu dia não podia ter sido mais parvo.

summer camp
e o video foi feito a partir disto.

07 setembro 2010

coisas parvas

tive de enviar uma mensagem para o meu centro de saúde aí em portugal e o endereço electrónico deles é no gmail.

06 setembro 2010

párpados azules


coisas de emigrantes

o milagre de encontrar coisas com sabor a nós em lugares estranhos. os olhos aguam de repente ao mesmo tempo que o coração fica mais quente.



foram uns 12 euros em sumol. hei-de lá voltar muitas mais vezes.

31 agosto 2010

e agora música a sério

b fachada dá-me cabo dos nervos. e está sempre a passar na radar (assim como passam outras merdas sem jeito mas menos de furar os tímpanos à unhada) por isso já não posso ter aquela treta em ribeirinho* o que me dá um trabalhão - ter de andar a pensar no que pôr a tocar e tal é chato. mas tenho spotify aqui pelas neves. um luxo.

*não fui engraçada agora?
ribeirando, talvez?

29 agosto 2010

desortografias

hoje vi escrito "detetem" num sítio qualquer e demorei cinco minutos até conseguir perceber o que era. vou ser velha e teimosa e continuar a escrever à antiga (que até nem é tão à antiga assim) enquanto me lembrar como é e não misturar tudo, mas mesmo assim esta coisa do novo acordo ortográfico vai custar-me muito.

o som do fim-de-semana



if you go down in the woods today
you're sure of a big surprise.
if you go down in the woods today
you'd better go in disguise.

for ev'ry bear that ever there was
will gather there for certain, because
today's the day the teddy bears have their picnic.

ev'ry teddy bear who's been good
is sure of a treat today.
there's lots of marvelous things to eat
and wonderful games to play.

beneath the trees where nobody sees
they'll hide and seek as long as they please
that's the way the teddy bears have their picnic.

picnic time for teddy bears
the little teddy bears are having a lovely time today
watch them, catch them unawares
and see them picnic on their holiday.

see them gaily gad about
they love to play and shout;
they never have any cares;

at six o'clock their mummies and daddies
will take them home to bed,
because they're tired little teddy bears.

if you go down in the woods today
you'd better not go alone.
it's lovely down in the woods today
but safer to stay at home.

for ev'ry bear that ever there was
will gather there for certain, because
today's the day the teddy bears have their picnic.

27 agosto 2010

eis o guilty pleasure, então


blasted mechanism
sou uma fraca.

mas isto só me diz alguma coisa até ao plasma ou assim.
é da idade, eu sei.

26 agosto 2010

(agora falta meter blasted. ficava mesmo bem aqui a seguir, mas ainda não bati nesse fundo)
fica-se velho, né?
também me ficou com o cd disto. ou perdeu ou a merda.


eu já matava alguém.

há tanto tempo


coldfinger

agora são diferentes. ou então sou eu.
o cabrão do francês ficou-me com o cd e deixou-me a caixa.

24 agosto 2010

(estou cheia de vontade de pedir uma meia de leite de máquina morna e um pão com manteiga)

hoje de manhã, no autocarro

indivíduo a: sabes o que é acídico e alcalino?

indivíduo b: não.

indivíduo a: pois... se comes carne ficas acídico. e por isso é que se tem cancro e doenças e assim.

indivíduo b: ...

indivíduo a: se comes vegetais és alcalino. por isso é que eu como vegetais. eu adoro carne, mas vegetais... bom, vegetais são bons para ti.

wtf?!