31 agosto 2010

b fachada dá-me cabo dos nervos. e está sempre a passar na radar (assim como passam outras merdas sem jeito mas menos de furar os tímpanos à unhada) por isso já não posso ter aquela treta em ribeirinho* o que me dá um trabalhão - ter de andar a pensar no que pôr a tocar e tal é chato. mas tenho spotify aqui pelas neves. um luxo.

*não fui engraçada agora?
ribeirando, talvez?

8 comentários:

mjvm disse...

espichando ?

purpurina disse...

ahaha! mas isso não é um bocado violento? aquilo flui. ou devia fluir, não sei.

josé quintas disse...

olá, P.
não concordando exactamente no que diz respeito a b-fachada, que destes portugas recentes que algumas rádios vêm divulgando até me parece dos únicos(Peixe Avião, também) que se podem ouvir, é certo que a Radar, às vezes, passa coisas de fugir (parece-me que a Oxigénio arrisca mais na inovação).

Adiante. Não me queres traduzir «ribeirando» e «spotify»? é que não faço a mínima...

purpurina disse...

olá, sô zé

b fachada soa-me a miúdo pequeno a inventar canções no momento em frente ao espelho, de escova de cabelo na mão a fazer de microfone. se calhar sou só eu porque realmente há mais gente desta nova onda indie folk, mesmo fora de portugal, que eu não suporto e que também me soa assim.

ah, a oxigénio... tenho saudades é da marginal, foi com ela que comecei a ouvir música. nunca tentei a oxigénio neste modo ribeirando, mas já fui espreitar e também têm emissão online. neste fim do mundo onde estou tem de ser assim.

isto do ribeirando é a pior piada do mundo, até tenho vergonha de explicar! é uma parvoíce de tentativa de aportuguesar a expressão streaming (até dói contar isto, já estou a fazer caretas de vergonha...).

o spotify é uma coisa muito interessante que ainda não chegou a portugal por causa de um problema qualquer com a spa e direitos de autor e assim. é um programinha que te dá acesso à tua rádio pessoal - talvez tipo cotonete, mas não sei bem porque nunca o usei. pagas um valor qualquer todos os meses, e podes criar as tuas listas de música para ouvires no computador, no telemóvel, no iphone, o que for. ou então não pagas e vais sendo interrompido por uns anúncios irritantes a cada 3 canções. não pagas as canções, pagas apenas pelo direito a ouvi-las. é giro. espreita aqui: http://www.spotify.com/se/about/what/
aqui na suécia há e em espanha também, mas não sei onde mais.

beijinho

TMC disse...

Fosga-se pensava que era o único a reparar na gritante fraude que é o Bernardo Fachada. Ele não está sozinho porque duvido que aquela barba e arzinho afectado lhe garantisse a constante promoção no Y, no DN, no Expresso, no Blitz,etc.

A sério, o que é a-q-u-i-l-o?

TMC disse...

E não devias ter vergonha por tentares traduzir para português o "streaming". Muitas pessoas acham ridículo; eu acho que é uma questão de explorar o que já se tem, a nossa língua e deixarmo-nos de pruridos quanto a ela! Ao mesmo tempo, não somos invadidos por tanta terminologia anglo-saxónica.

Assim, e com o compadrio dos alentejanos, acho que o gerúndio faz-nos falta. Ribeirando, regatando,borbotando.

Continua.

ricas disse...

uma boa alternativa ao spotify aqui no jardim à beira mar com wifi plantado é o grooveshark.

não é bem uma rádio, mas antes uma base de dados gratuita com basicamente tudo o que uma pessoa se lembre de ouvir. resta apenas o problema de ter de escolher.

purpurina disse...

tmc: gosto de gerúndios, mas se os falo não me pertencem. escritos escapam.

(este verão encontrei um pacotinho de açúcar que te pertence e achei um espanto)

ricas: acho que base de dados também é mais o que o spotify é, eu é que expliquei mal. não conhecia isso do grooveshark, vou investigar.


beijinho